Beleza, Consumo Consciente e Veganismo

Beleza, Consumo Consciente e Veganismo

Basta a gente tocar no assunto “consumo consciente” ou “veganismo” no mundo dos cosméticos que os nervos de muitos(as) internautas se agitam, como se fosse uma ferida bem dolorida, aberta, longe de cicatrizar. E eu me incluo nesse grupo, viu.

Há tempos participo de grupos no facebook que falam de cosméticos naturais, veganos, ecológicos e afins. E há muito percebo que, quando levamos essas descobertas, ensinamentos e experiências para outros grupos também sobre beleza, porém sem essa abordagem “verde”, encontramos muita resistência.

Meses atrás, quando publiquei o Porque Eu Parei de Usar Monange aqui no blog, deu a maior confusão em um desses grupos quando compartilhei o link. Choveu comentário de gente intransigente, era barbaridade atrás de barbaridade, com respingos de outras pessoas apoiando o boicote e outras espantadas com o assunto tratado na postagem. A confusão foi tamanha que a moderação bloqueou a publicação para novos comentários a partir de certo momento. E, recentemente, o link para essa postagem foi compartilhado por uma pessoa em outro grupo e o bafafá foi o mesmo, porém menos desrespeitoso e sem grandes confusões. Teve bastante apoio, na verdade, fiquei satisfeita (valeu, pessoal!)

Beleza, consumo consciente e veganismo - discussão
Prints da postagem mais recente. A antiga não consigo mais encontrar, acredito que tenha sido apagada…

O que mais me chocou foi ler comentários alegando que “aquele grupo não era lugar de discutir veganismo”, que “veganismo é assunto para grupos veganos”. Vamos dar ênfase a isso: esse posicionamento não faz o menor sentido, concorda? Não há razão em divulgar essa postagem para pessoas veganas, pois elas já procuram realizar esses boicotes, não é novidade nem informação nova nada do que eu escrevi ali. Óbvio que temos sempre algo a descobrir dentro da militância vegana, estamos sempre aprendendo e sabendo de coisas novas. Porém você há de concordar que espaços mistos (ou seja, não exclusivos para discussões veganas) são para todo tipo de troca de informações, desde que respeitando o foco do grupo, certo?

“Ah mas vegano é tudo chato, vive vendo problema em tudo, querendo converter todo mundo”. Sim, aí é que está. Há problema em praticamente tudo, há exploração animal em praticamente tudo (há quem tiraria a palavra “praticamente” dessa frase, e eu compreendo). Não quero “converter” as pessoas para o veganismo, mas acho fundamental a disseminação das informações a cerca dos produtos que compramos, por exemplo. Várias pessoas, nessas postagens, comentavam “nossa, nunca tinha parado para pensar nisso!” ou “não sabia que faziam testes em animais e nem que eram assim tão cruéis” e concluíam dizendo que não mais comprariam produtos de tais marcas. O fato de a exploração animal estar <<em tudo>> e as pessoas não saberem o grau de participação delas para esse sistema é um motivo primordial para a luta vegana. É o que mais dá força para “plantar a sementinha” em todos os espaços que forem criados para tal discussão desde que, claro, o respeito seja mantido acima de tudo. Eu não preciso impor nada a ninguém, é a sua consciência que fará com que você decida mudar seu modo de consumo ou não.

“Você nunca irá ganhar um debate com um vegano, porque o debate nunca é com o vegano, mas sim com a sua consciência.” – The Abolicionist Vegan Society

 

E aí entramos na discussão do consumo consciente que, como o nome já diz, é ter consciência sobre o que você está comprando. Para onde vai o seu dinheiro? Que tipo de empresa é essa? Como foi o ciclo produtivo desse produto? Quais são as matérias primas? Isso é realmente necessário? Eu preciso disso? Como eu já citei no post do boicote a produtos testados em animais, “Eu não preciso maltratar, aleijar, cegar, envenenar, queimar, violentar nem matar animais para cuidar de mim, da minha beleza, da minha saúde e do meu corpo. ”

E não é só isso. Muitos, mas MUITOS produtos por aí possuem como a maior parte de seus insumos coisas totalmente inúteis. Especialmente os produtos para cabelo, que vêm com espessantes e maquiagens que apenas colocam você em um ciclo de consumo vicioso. E assim as indústrias formam legiões de consumidores fieis e dependentes, e vocêzinha(o) aí achando que está tratando seu cabelo e deixando-o super mega saudável.  Isso é absurdo.

O No Poo e o Low Poo têm como princípio o rompimento desse ciclo, como eu já expliquei aqui. Mas eu sinto que mesmo se libertando dele, muitas pessoas (e eu me baseio na pura observação das publicações desses grupos, e na frequência gigantesca com que elas ocorrem) caem na armadilha consumista/capitalista por outro viés. Toda hora surgia por lá uma foto com alguém querendo postar para todo mundo ver as suas comprinhas do dia, ou sua coleção de produtos, ou como tinha ficado surpresa(o) com a quantidade de produtos que tinha quando foi arrumar o armário. E eram muuuitos produtos nas imagens, arsenais que dariam pra mais de um ano de cuidados com jubas imensas como a minha no mínimo, até que chegou ao ponto de os grupos proibirem esse tipo de publicação (ainda bem!)

O ponto que quero chegar é: a gente realmente precisa disso? O sacrifício animal, o desperdício de matéria prima, a quantidade de resíduo, água e poluição gerados e o seu dinheiro valem a sua vaidade? Não pense por si só, pense em como cada um(a) de nós é parte dessa máquina insana de consumo pela estética – especialmente mulheres, constantemente bombardeadas por imposições desse universo – e em como o seu posicionamento frente a isso tudo faz a diferença (para o meio ambiente, para pessoas e para outros animais). Cabelo é mais que aparência, é identidade, é ato político, e vai para além da maneira que ele aparenta, pois a forma como cuidamos dele é uma escolha. Escolha essa que se torna cada vez mais consciente e verdadeira com a disseminação do conhecimento, de dados, de alternativas, de experiências! Então emponderemo-nos de nosso corpinho, lutemos para nos libertar das amarras padronizantes e façamos boas escolhas para nós e para a Natureza <3

Giovanna O.

4 Comentários


  1. Então, por favor, passe sua nova sugestão de kit. Não conhecia as técnicas Low e No Poo e logo agora que comecei a pesquisar e achei sua sugestão de kit incrível, você me diz que não devo usar alguns (quase todos os produtos dele). O que faço? Quais são os produtos q vc sugere agora?

    Responder

    1. Oi Camila! Vou preparar um post com um kit atualizado! Como tenho evitado produtos industrializados (tenho feito os meus próprios), posso listar uns ingredientes bacanas de se ter também. Obrigada pela sugestão! <3

      Responder

Comente sobre esse post!